home Atividades laboratoriais Footbal Mulato: o futebol arte brasileiro em decadência.

Footbal Mulato: o futebol arte brasileiro em decadência.

A glória e decadência de um futebol que trocou o esporte pelo dinheiro. Antes inspiração e hoje um mero coadjuvante no cenário mundial de futebol.

Já dizia Gilberto Freyre com a expressão Football Mulato em 1938 por: o futebol brasileiro sempre teve um toque de qualidade. A expressão criada pelo escritor foi utilizada para definir a maneira irreverente e talentosa que a seleção, com jogadores brancos e negros, encantou o mundo. Segundo o escritor, a seleção brasileira com jogadores “mestiços” deu curvas ao futebol, diferente dos europeus que jogavam de maneira pragmática.

.A história do futebol brasileiro não se resume apenas nos craques, mas também nos grandes treinadores como Zagallo, Telê, Parreira, Felipão, entre outros que comandaram com extrema competência a seleção e outros grandes times de futebol. Estes treinadores antigamente eram inspiração para o mundo do futebol. Grandes times europeus apostaram em brasileiros para treinar seus jogadores.

Porém hoje é completamente diferente: os brasileiros ficaram ultrapassados no futebol atual, dominado pelos esquemas táticos. Muitos deles vão à Europa para estudar e se atualizar. Além do mais, a vida do treinador no Brasil é muito complicada, o que conta é o resultado e não o desempenho da equipe. Se a equipe tem resultados negativos em sequência, estes ficam ameaçados e são os primeiros a perderem o emprego.

É verdade que desde 1958, primeiro título mundial do Brasil, o futebol mudou muito e de uns tempos pra cá, a tática vem superando a técnica, atualmente os times que se dedicam mais para o esquema tático são os mais competitivos. Apesar disso, surgem raras exceções no mundo do futebol, como o Barcelona de Pep Guardiola que se inspirava na seleção brasileira de 80.Além disso, a estrutura dos times europeus permite que desde pequenos, garotos da base joguem no mesmo estilo do time profissional.

Atualmente, o Brasil se tornou apenas um coadjuvante no futebol mundial. Neste ano, a história não foi distinta: a seleção caiu diante da Bélgica e a França sagrou-se bi-campeã mundial. A causa desse jejum pode ser explicada pelo equilíbrio técnico, tático e físico das equipes pelo mundo ou a perda da identidade e do futebol arte brasileiro?

A primeira grande conquista do Brasil foi a Copa do Mundo de 1958, na qual Pelé se tornou o jogador mais jovem a conquistar um mundial, além do prêmio de melhor jogador jovem. Este seria o começo brilhante de Pelé, considerado o melhor jogador da história e também da seleção brasileira. Quatro anos depois a seleção chegaria ao bicampeonato em 1962 com Garrincha no comando e Pelé lesionado.

Em 1970, um esquadrão com Pelé, Rivelino, Carlos Alberto, Gerson, entre outros craques, conquistou o tricampeonato mundial. Essa seleção é considerada por especialistas uma das melhores da história, com um futebol bonito e coletivo.A Geração de 70 resgatou o futebol-arte, provando ser possível vencer e proporcionar um grande espetáculo.

Na Copa de 1994, o Brasil com Romário, Taffarel e o capitão Dunga conquistou o tetracampeonato, 24 anos após o tri. Este mundial ficou marcado com os gols decisivos de Romário e as defesas milagrosas do goleiro Taffarel em cobranças de pênalti.

Oito anos depois do tetra, o Brasil conquistou o pentacampeonato, com destaque para o trio Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo e Rivaldo.

São cinco conquistas de Copas do mundo que credenciaram o Brasil como o país com o melhor futebol e celeiro de grandes craques para o mundo. Um país gigante, que é miscigenado por diversas raças e que tem jovens talentos surgindo todos os dias. Entretanto, são 16 anos em jejum e predominância dos europeus em Copas, além da derrota humilhante para a Alemanha por 7 a 1 em 2014.

O goleiro Matheus Brito, que atua pelo Desportivo Brasil falou sobre a alegria e o sonho dos jovens jogadores:” O Brasileiro tem muito talento e alegria , desde pequenos os garotos de periferias tem o sonho de se tornarem grandes jogadores e isso faz toda a diferença”.

Matheus Brito, 19, goleiro do Desportivo Brasil

Sobre o interesse dos clubes europeus em jogadores brasileiros, o jogador do Desportivo brasil comentou sobre o poder financeiro desses times: O jogador brasileiro tem muita habilidade e não se intimida com adversários, mas não é tão aplicado taticamente. Por isso os clubes europeus contratam os talentos ainda jovens para lapidar esses craques. Além disso, a verba destes clubes é muito maior e esses atletas tornam-se investimentos que podem ser multiplicados futuramente.

Pode-se dizer que o futebol arte brasileiro está se empobrecendo com o passar dos anos, isso se deve a fragilidade financeira dos clubes e má administração, transformando os clubes brasileiros em uma “banca de feira “ na qual os jogadores jovens e promissores são apenas produtos para terminar o ano sem dívidas. O Atleta do Desportivo Brasil que possui amigos que jogam na europa elogiou a estrutura dos clubes europeus: “ A estrutura dos clubes europeus para as categorias de base é incrível e o trabalho comparado com os brasileiros a procura de talentos é muito superior”.

A decadência técnica, estrutural e financeira  são razões para explicar o momento ruim do nosso futebol. É uma era de extremos, em que os poderosos clubes europeus controlam o mercado e o futebol no Brasil sobrevive com as sobras.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *